Gerar tráfego orgânico: 7 segredos que nunca te contaram

Se você trabalha com Marketing de Conteúdo há algum tempo, ou ainda é iniciante no assunto, já deve ter ouvido falar na importância de gerar tráfego orgânico para o seu negócio.

A primeira vantagem, de longe, é que esse tipo de tráfego é muito mais barato. Isso porque há o investimento apenas para os criativos (textos, imagens e vídeos). Ou seja, não há gastos extras com tráfego pago (anúncios).

Gerar tráfego orgânico é uma tarefa perpétua na vida de um negócio digital ou um negócio físico que também atua na internet. Isso porque ele deve ser frequente e ter rotinas de publicação.

No entanto, no meio de tanto trabalho (quase que diário) é difícil acompanhar as últimas atualizações sobre como gerar tráfego orgânico que realmente converta.

É possível que no meio do caminho, você tenha deixado escapar uma ou outra informação preciosa…

Ou pior, te esconderam verdadeiros tesouros do Inbound Marketing, usados pelos maiores infoprodutores do país!

Confira uma lista de 7 segredos que nunca te contaram sobre gerar tráfego orgânico:

 

1 – SEO para Youtube

Pouco se fala sobre gerar tráfego orgânico no Youtube a partir das técnicas de SEO. Mas, o Youtube é, hoje, o segundo maior site de buscas da internet… Perdendo apenas para o invicto Google.

Na descrição do vídeo e no título dele, é importante que você traga as palavras-chave que serão pesquisadas pela sua audiência. Assim, o vídeo terá um melhor rankeamento.

Com o vídeo em alta na lista de resultado, mais pessoas irão visualizá-lo. Criando um ciclo que apenas o fará melhorar os resultados do seu negócio. Sendo capaz de atingir mais pessoas.

 

2 – Memes e viralização

Não há mais espaço para conservadorismo e comodidade na internet. Para chamar a atenção e ter destaque da concorrência, é preciso inovar e surfar nas ondas mais altas: os memes.

Os memes são imagens, gírias e expressões que ganham fama na internet por ter caráter cômico ou irônico. Eles são compartilhados rapidamente e rendem curtidas e compartilhamento com muita facilidade.

Os memes devem ser explorados como ganchos para publicações e postagens, porque atraem mais a atenção, no disputado espaço da internet. Além de ser uma forma da sua empresa se demonstrar próxima ao público…

E igualmente divertida!

3 – Mapeamento de público-alvo: empatia

Quem é o seu avatar?

Talvez, neste momento, algumas imagens e informações passaram pela sua cabeça. Não foi?

Para quem está no Marketing Digital há algum tempo, é fácil listar, pelo menos, as informações mais básicas do avatar, como idade, gênero, e principais profissões. Talvez você saiba até mais que isso…

Como as principais dores, os sonhos e como é a vida econômica dessas pessoas.

No entanto, é possível que – mesmo assim – você ainda não saiba com exatidão quem é a sua audiência. Isso porque, todas essas informações ainda são muito rasas para, realmente, conhecer uma pessoa.

Para gerar tráfego orgânico que, realmente, funcione e converter leads, é necessário fazer um processo de empatia com o avatar. E isso não é apenas descrevê-lo em cima de um “achismo”.

Como funciona o processo de empatia?

O processo empático é feito quando você parte de problemas e características externas do lead, e consegue chegar nas emoções e valores inquebráveis dessa pessoa. Bem como conhecer, em detalhes, o cotidiano dele.

Trata-se de uma imersão profunda na audiência, desvendando sentimentos e emoções que o fazem questionar, até mesmo, os próprios valores. É neste ponto em que se cria empatia.

Depois disso, basta criar conteúdos que realmente sejam relevantes e conversem com essas pessoas. Sem correr o risco de especificar em um único tipo de avatar, é claro.

 

4 – Gatilho da reciprocidade

Sabe quando você ganha um presente e se sente na obrigação em retribuir? Ou quando, simplesmente, te oferecem um pedaço de lanche e você, imediatamente, oferece a sua comida também?

Pois é, isso já foi mapeado pela neurociência… Ganhando o nome de Gatilho da Reciprocidade, ou seja, quando queremos devolver na mesma moeda um gesto de gentileza.

A cabeça do consumidor funciona, exatamente, assim. Logo, quando ele é surpreendido por um material (ou uma série de materiais) gratuito e relevante para ele, o consumidor sente-se na obrigação de retribuir.

E essa retribuição é se inscrevendo para a sua lista, comprando o seu produto ou fazendo qualquer ação que você peça para ele fazer. Afinal, há satisfação do outro lado…

Portanto, é fundamental que seu conteúdo criado para gerar tráfego orgânico vá de encontro aos interesses do público-alvo e faça alguma mudança de imediato na vida dele!

 

5 – Do youself

“Faça você mesmo!” é quase que um dos pilares centrais da forma de consumidor dos tempos atuais. E diz sobre o fato dos consumidores exercerem algum tipo de poder no produto consumido.

Como os serviços de streaming (Netflix, por exemplo) ou, simplesmente, poder montar o seu lanche em uma rede de fast-food, como o Subway.

No Inbound Marketing é possível utilizar da metodologia Do Youself para gerar tráfego orgânico e aumentar os números de conversões.

Como funciona?

A base dessa metodologia é a interação. Ou seja, quando a sua audiência possui um grau de proximidade tão alto com a sua marca que é ativa em sugestões de ideias para conteúdos.

Ou então, na possibilidade de poder escolher entre um leque de opções quais assuntos ela deseja ver nos próximos dias. É possível criar um sistema de streaming no Youtube ou em um Blog, distribuindo-os em sessões (ou listas).

Oferecer o sentimento de escolha (mesmo que com opções limitadas), segundo a neurociência, sugere um empoderamento para o cérebro do consumidor. É como se ele estive ali só porque ele quer…

Ao se sentir no poder, ele passa a aproveitar melhor o momento, despreocupado com o fato de alguém querer vender, a qualquer momento, algo para ele. O cérebro inibe os sentimentos de desconfiança.

 

6 – O mito dos textos e vídeos longos

Em algum momento, desde que você começou a estudar comunicação ou Marketing Digital, alguém te disse que textos e vídeos longos não fazem sucesso. Não é mesmo?

O que nunca te contaram antes é que isso é verdadeiramente um mito. Um mito inventado por quem, simplesmente, não sabia fazer conteúdo para gerar tráfego orgânico.

Não é a duração de um vídeo ou a quantidade de palavras de um texto que o farão ser bons ou ruins. Tampouco é isso que fará ou não uma conversão.

O que gera conversão é a QUALIDADE do conteúdo disponível!

Texto longos e vídeos com mais de cinco minutos podem atender ao seu público e tendo alta performance na internet. Isso será garantido pelo conteúdo, informações, originalidade e ritmo.

Tudo se baseia na qualidade do conteúdo disponível ao mercado, e a profissionalização daqueles textos ou vídeos.

Por isso, se precisar, você pode ultrapassar os limites que a crença limitante impos para o Inbound Marketing. Basta ser interessante e não deixar que nenhum ponto desconecte o seu conteúdo da sua audiência.

 

7 – CTA não precisa ser agressivo

Outro mito do Marketing de Conteúdo é que o CTA precisa ser extremamente agressivo para funcionar, com seta grandes e vermelhas, cores chamativas e textos apelativos, cheios de gatilhos mentais.

Isso é mentira…

Não que um simples “Clique aqui” irá resolver o seu problema de conversão… Mas, quando há a combinação de conteúdo bom com um CTA assertivo, gerar tráfego orgânico fica ainda mais fácil.

Quando o seu conteúdo é, verdadeiramente bom e relevante para a sua audiência, basta convidá-la para entrar na sua lista, ou clicar para saber mais. Ou simplesmente gerar uma curiosidade.

Não há nada de agressivo ou apelativo nisso! Lembra do gatilho da reciprocidade? Ele funciona perfeitamente neste caso também.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *