Storytelling – A arte de conquistar e engajar seu público contando boas histórias

Quando falamos na arte de contar histórias, somos remetidos a tempos primórdios onde a escrita ainda não havia sido desenvolvida, e todos os aspectos das sociedades antigas eram passadas pela oralidade. Entre outras palavras, pela contação de histórias, ou storytelling.

Inclusive, nos processos de aprendizagem, a contação de histórias é muito utilizada principalmente na pré-escola. O objetivo deste método é transmitir cultura, regras de uma sociedade e seus valores éticos, conhecimentos e ensinamentos.

Com a tecnologia, a contação de histórias passou a ser audiovisual. Você já ouviu falar em storytelling?

Storytelling é uma palavra em inglês que está intimamente relacionada a narrativas e significa a capacidade de contar histórias relevantes. Vem da expressão em inglês “tell a story”, o que na tradução literal significa contar uma história. O método que utiliza palavras ou recursos audiovisuais para transmitir uma história. Não se sabe precisar quando o termo e o conceito foram criados. Seu objetivo é criar relações interpessoais e atualmente é muito difundido em diversas áreas como o cinema, a televisão, a literatura, o teatro, videogames, etc.

Existem muitos cursos de storytelling por aí, porém, crê-se que seja mais uma aptidão a ser desenvolvida que algo a se aprender. Alguns nascem com essa aptidão e outros não. Nos cursos são desenvolvidas algumas estratégias para que o público seja conquistado, motivado e engajado. O storytelling tem como principal objetivo a aproximação do público, a empatia, agregar valor as pessoas.

Quando pensamos em engajar o público, somos remetidos diretamente a estratégias de marketing. Portanto, o storytelling é utilizado na área de marketing exatamente para aproximar e engajar o público, sendo esse os colaboradores internos de uma empresa, os consumidores de um produto a ser lançado, ou o público de uma campanha de propaganda, entre outros.

 

Storytelling e o marketing

Diante de uma nova era de informações e comunicação instantânea, o público está sendo a cada dia massacrado pelo excesso de informação e propaganda dos mais variados assuntos e produtos. Há muitos meios de comunicação, porém, a internet se tornou um campo vasto para a utilização da propaganda que, muitas vezes, se tornou excessivo aos nossos olhos e ouvidos.

Visando uma forma mais “gentil” de sensibilizar e engajar o público a determinado produto ou marca, o marketing vem utilizando dessa estratégia para divulgação. O storytelling consiste em compartilhar com o público a história de real de uma empresa, marca ou produto, onde são utilizados tanto recursos audiovisuais como palavras.

Esse tipo de ação, diferentemente das demais ações usadas em marketing, tem como principal objetivo persuadir o consumidor e engajá-lo à marca ou produto e, assim, estreitar a relação produto x cliente compartilhando ideias.

Para que o público se sinta engajado, é necessário que o storytelling tenha um público-alvo bem delineado e definido, para que a mensagem seja personalizada e que se crie uma empatia instantânea.

A narrativa a ser contada, ou seja, a história propriamente dita, precisa ser bem construída e desenvolvida. Para isso, deve possuir alguns elementos como palavras e vocabulário adequados; um enredo inteligente e provocativo; clímax, parte muito importante na qual chega-se ao ponto alta da narrativa para, depois, a conclusão; personagens que representem anseios, dores e a realidade dos consumidores (público-alvo); elementos e suporte audiovisuais como imagens, ilustrações variadas, vídeos e afins.

Entre outras palavras, monta-se um quebra-cabeça com todos esses elementos e cria-se o produto final que deve emocionar, entreter e engajar o público, através da verossimilhança.

O storytelling e o marketing de conteúdo

O storytelling tem sido bastante utilizado no lançamento de novos produtos e em fidelização de clientes de uma marca. Existem práticas a serem adotadas na criação das narrativas para que o produto final atinja seu objetivo: engajar o público-alvo, agregando a ele valores e, em alguns casos, dando-lhes ideias intuitivas com base nas mensagens contadas e, assim, persuadindo-os.

Seguem algumas delas. Primeiro, defina o público, estude, qualifique, caracterize, como uma pessoa. Crie uma pessoa que seja em uma só a figura de todo o seu público-alvo. Essa parte é a principal pois, se a história a ser criada deve engajar essa pessoa, é preciso que se conheça seus defeitos e qualidades, sua situação econômica, dificuldades de relacionamentos, etc.

A criação da persona deve estar voltada ao produto a ser vendido. O produto quer engajar qual público? Esse público deve ser criado como uma persona para que a história possa ser desenvolvida de forma a sensibilizá-lo. Assim, faz-se com quem assiste se identifique imediatamente, gere empatia e compre a ideia que o produto traz e, consequentemente, também passa a utilizar o produto, a propagá-lo, compartilhá-lo. Multiplica-se a ideia com o storytelling.

Segundo, seguir os princípios básicos de uma narrativa eficiente. Ela deve ser visual – deve conter elementos visuais; interativa – deve interagir com o público; usar diálogos reais – não utilize diálogos fantasiosos, fora da realidade, a história deve ser real, o mais verossímil possível; deve ter um personagem – crie um personagem que o público identifique-se como sendo um igual; desperte emoções – uma história bem contada atinge diretamente a emoção do público, o que faz com que o processo de empatia seja facilitado; crie um conflito – toda narrativa eficiente possui em si, um ponto chave, chamado de clímax, que é o ponto central da história e de onde o desfecho será construído.

 

Leia também: Marketing de conteúdo, a solução para seu negócio!

 

Criação e desenvolvimento do storytelling

Para a criação e desenvolvimento do storytelling não existem regras rígidas ou uma fórmula, em muitos casos uma boa história é criada intuitivamente. Como já mencionamos, existem cursos para desenvolvimento, mas o dom de ser um contador, alguns apenas possuem. Nesses casos, as ferramentas tecnológicas colaboram na parte visual, mas o enredo deve ser bem elaborado para que se consiga o engajamento do público.

O storytelling gera mensagens mentais nos visitantes de sites e blogs, gerando engajamento nos mais diversos públicos de todos os meios de comunicação. O público “sente” que está vivendo o que está assistindo junto com o personagem. É por isso que o storytelling está em ascendência no marketing de conteúdo.

Os sites, blogs e páginas são visitados diariamente por milhares de pessoas e podem ser compartilhados infinitas vezes aumentando, assim, a abrangência do produto, gerando maior engajamento. Engaja e reforça o valor agregado pelo produto, marca ou empresa.

Podemos dizer que os sites de compartilhamento de vídeos gratuitos estão sendo bem utilizados na exposição dos storytellings. Quem nunca assistiu àquela pequena propaganda narrada anterior ao filme, clipe ou vídeo? Todos nós.

Essa propaganda narrada, ou storytelling (não é necessariamente narrado) atinge diretamente o cérebro do público (as estratégias de marketing de conteúdo utilizam também a psicologia do comportamento): a história é transformada em ideia; é comentada, compartilhada e experimentada, pois agora trata-se de uma ideia; é lembrada com maior precisão (retomemos a contação de histórias para ensino/aprendizagem); se for bem contada, ativa mais partes do cérebro.

 

Conhecemos muitos casos de sucesso de storytelling, vamos citar alguns:

A Coca-Cola

A marca Coca-Cola é mundialmente conhecida e reafirmada diariamente. O seu principal produto é o refrigerante de cola. A tão conhecida Coca-Cola. Nas versões diet, light e comum, como chamamos, não importa. O produto é consumido por centenas de milhares de pessoas em todo o mundo. E são investidos milhões em marketing.

Há alguns anos, a Coca-Cola resolveu adotar o storytelling como marketing principal. O público assiste a pequenos filmes que vendem felicidade e desejo de revolução pessoal numa atmosfera motivacional e aspiracional. Resultado: identificação imediata do público e engajamento total. Quem não quer ser livre e feliz? Quem não quer mudar o que não gosta em sua vida? Quem não quer um Natal perfeito?

Esse fenômeno Coca-Cola gera, diariamente, milhões de compartilhamentos e citações sobre as peças e historietas criadas nos diversos meios digitais. O público é “evangelizado”. A tal ponto de alguns consumidores não consumirem outro refrigerante, mesmo que da mesma marca.

 

Dove – Retratos da Real Beleza

Dove é uma marca muito conhecida e desenvolvida no Brasil que já possui seu público fiel e vem conquistando boa parcela do mercado por conta dos seus produtos de qualidade de sabonetes a xampus e condicionadores.

A Dove investe em campanhas nacionais e em todas as mídias. A empresa criou um storytelling que ganhou vários prêmios chamado “Retratos da Real Beleza”. A história possui um conflito definido: as mulheres se julgam com menos beleza do que possuem na realidade. Para exemplificar, fizeram uma experiência e colheram as reações. A mensagem é impactante. As mulheres consumidoras se identificam imediatamente.

A empresa divulga a beleza natural e real da mulher, conflitando com o ideal, tão amplamente divulgado. O engajamento do público-alvo se desenvolve a partir do momento que a mulher descobre como os demais a veem, com mais beleza do que ela mesma. Então, esta mulher se volta para os cuidados de si mesma, e a marca vende cada vez mais seus produtos.

Bem desenvolvido e finalizado, o storytelling é uma tendência crescente e amplamente divulgada pelo marketing de conteúdo.

Ficou com dúvidas sobre questões relacionadas a storytelling e produção de conteúdo? Fale com nossos consultores e descubra como podemos melhorar a sua comunicação por meio de conteúdo relevante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *